Yesomar e Motor City Madness aceleram o rock no Renascença

A promessa de uma noite de muito peso e velocidade – na última edição do projeto República do Rock – foi cumprida à risca, na terça-feira, pelas bandas Motor City Madness e Yesomar. No palco do Teatro Renascença, os dois grupos serviram doses generosas de energia, entrega e eletricidade roqueira – e viram a plateia inclusive dançar em pleno teatro, em alguns momentos.

(Fotos do post: Belisa Giorgis)

Motor City Madness

Motor City Madness

Os dois quartetos optaram por uma das formações clássicas do rock – bateria, baixo e duas guitarras alternando ritmo e solos, com um dos guitarristas assumindo os vocais principais. O primeiro show foi da Motor City Madness, que confirmou com folga a boa reputação conquistada na cena independente. Foi uma performance coesa, recheada de canções rápidas e de impacto – várias delas registradas no primeiro disco da trupe. Ms. Dynamite, Schizoid e Ready to Explode foram alguns dos grandes momentos.

Yesomar

Yesomar

Na sequência da noite, a Yesomar tomou o palco sem fazer cerimônia – inclusive começando a tocar antes mesmo de a cortina ser aberta. Foi novamente uma sucessão de músicas intensas e urgentes, intercaladas pelas intervenções bem-humoradas do guitarrista e cantor Dundi. O roteiro teve canções como Saco 100 Fundo, Perfecto e Lingerie, fechando uma noite de alta voltagem no Renascença.

O República do Rock volta em 7 de outubro, em embalo de blues e folk, com o trbalho solo de Jimi Joe e o espetáculo acústico 50 Tons de Blues, dos músicos Renato Velho e Manéco Rocha.

Anúncios

Sons da Cidade homenageia Lupicínio Rodrigues

A edição de setembro do projeto Sons da Cidade, no próximo dia 30, será uma homenagem ao centenário do nascimento de Lupicínio Rodrigues, que se completa no dia 16 deste mês.

As duas atrações escaladas para o espetáculo irão revisitar, com linguagem própria, temas do repertório de Lupi, além de mostrar músicas próprias. Quem estará no palco serão o músico e escritor Paulinho Parada e o Grupo Mas Bah!.

Paulinho Parada. Foto: Ita Pritsch, divulgação

Paulinho Parada. Foto: Ita Pritsch, divulgação

Com dois livros e dois discos no currículo, Paulinho Parada segue influências do samba e da bossa nova. No show em homenagem a Lupi, o músico (piano e violão) investe em uma formação de regional de choro, com com Elias Barboza (bandolim), Ju Rosenthal (cavaco), Bernardo Moletta (violão de sete cordas) e Maicon Ouriques (pandeiro) e participações de Thaís Nascimento (violão) e Bárbara Utzig (flauta).

 

Grupo Mas Bah! Foto: Kairo Lenz, divulgação

Grupo Mas Bah! Foto: Kairo Lenz, divulgação

Surgido há três anos, o Grupo Mas Bah! une a música regional gaúcha a elementos do jazz, do reggae e do pop. O quinteto – Jacson Jaques (violão e voz), Fernanda Lopes (voz), Rafa Martins (percussão), André Munari (acordeão e voz) e Gustavo Brodinho (baixo e voz) – já gravou dois discos e apresentou-se em países como França, Suíça e Argentina.

O ingresso para o evento no Teatro Renascença é a doação de um quilo de alimento não perecível. As senhas poderão ser retiradas no local, a partir das 19h, no dia do show.